News: City And Colour lança nova música “Thirst”

▲▼▲

When I think of fates worse than death..

City and Colour News

Para deixar um gostinho de quero  mais, Dallas Green lança Thirst, faixa que faz parte do quarto álbum do projeto City and Colour, intitulado The Hurry And The Harm. As gravações do novo álbum foram finalizadas em novembro do 2012, antes do canadense dar inicio à turnê de despedida de sua ex-banda Alexisonfire, e será lançado em 04 de junho. Com melodias delicadas, que parece que só o Dallas consegue criar, batidas fortes e relaxantes o single mostra que a banda vai continuar semelhante ao que apresentou em 2011 com Little  Hell.

▲▼▲

cropped-dear-prudence.jpg

Playlist: Dear Prudence

▲▼▲

it’s getting harder to just keep on pretending, that our love will have a happy ending..

Dear Prudence é uma banda alternativa de rock eletrônico oriunda de Brighton (Inglaterra) formada por Madeleine Poncia ou Madi (vocal), Rick Ahir (guitarra), Paul Egan (baixo), Andy Highmore (teclado) e Alexis Nuñez (bateria).

Você pode facilmente se apaixonar desde a primeiro faixa que escutar, a primeira vez que escutei o som do quinteto foi quando realizaram uma versão acústica de ‘Valentine’ na BBC 2 ‘The Review Show’ e fiquei viciada desde então.

As principais influencias da banda são The Cure, Depeche Mode e Siouxsie & The Banshees (cuja deu origem ao nome da banda após um cover de The Beatles), o “pop dark”‘ que corre ao longo de cada uma dessas bandas é definitivamente evidente nas músicas de Dear Prudence, que mistura muito bem toda essa referencias dos anos oitenta com elementos modernos, produz faixas agridoce e cheias de sintetizadores, com melodias agradáveis, alegres e ao mesmo tempo sombrias, os vocais são emotivos e cativantes, me lembra um  pouquinho Kate Nashhá também uma certa tendência a tristeza em algumas das letras que eu acho que é uma justaposição muito boa.

Depois de lançarem algumas faixas, como a ótima “China Doll”, vídeos, como o nebuloso”Valentine”, e até covers, como o de “Time After Time” da Cindy Lauper, a Dear Prudence promove agora “Coming Apart Again”, clipe de seu mais novo single que deverá estar presente no debut album da banda com previsão de lançamento para 2013.

Atualmente a Dear Prudence vem ganhando bastante destaque graças ao suporte dado pela BBC Radio 1, que não só os adicionou a sua Introducing Playlist no rádio, como também os convidou para tocar no BBC Introducing Stage do Reading & Leeds 2012, festival de música alternativa inglesa que acontece anualmente e simultaneamente nas cidades de Reading e Leeds.

Dear Prudence links: Website // Facebook // Soundcloud // YouTube

▲▼▲

Disco: “Challenger”, Memphis May Fire

▲▼▲

Memphis May Fire
Screamo / Metalcore / Post-Hardcore
http://www.facebook.com/MemphisMayFire

Memphis May Fire

Produzido por Cameron Mizell e o guitarrista Kellen McGregor em parceria com a Rise Records, Memphis May Fire reforça  sua identidade com o lançamento deChallenger, com um som mais pesado do que qualquer coisa feita pelo  quinteto norte americano de Dallas (Taxas), é a prova de seu crescimento mostrando a evolução dos músicos individualmente e como um todo, ganha um destaque importante o conteúdo lirico, com letras bem estruturadas, descrevem bem os desafios enfrentados durante suas carreiras, os erros e acertos comedidos ao longo do caminho.

O álbum começa com Without Walls  uma simples e rápida introdução que reflete o espírito da banda e que se completa com a segunda faixa Alive In The Lights, com muitos riffs técnicos e um solo de guitarra causando uma primeira boa impressão. O primeiro single lançado Prove Me Right é uma critica a indústria da música, Matty Mullins expressa seu desgosto total a gananciosos executivos que continuam destruindo a arte da música, em particular a antiga gravadora da banda, e literalmente se enfurece ao longo da canção inteira.

Red In Tooth And Claw é um dos destaques do álbum, marca um momento mais maduro, a profundidade do som que se misturam muito bem com os vocais limpos, e um solo de guitarra curto logo após o primeiro refrão. A harmonia durante o refrão de Vices, segundo single, é apenas um assassinato para quem gosta de ritmos cativantes, tem um efeito profundo e duradouro com sutilezas capaz de fica na cabeça por muito tempo após a música acabar.

Em Legacy é fácil de se identificar com o tema lirico, souberam passar a mensagem com harmonias elevadas e uma programação fantástica, “when you feel like giving up, when they say it can’t be done it’s up to you to show them why they’re wrong…♫ follow your heart and you will never lose…♪” Miles Away é a canção mais suave do álbum, os vocais são melódicos e afinados, a canção relata a dor de deixar para trás as pessoas queridas para seguir seus sonhos, conta com a participação do Kellin Quinn (Sleeping With Sirens), que sinceramente não acrescentou muita a música.

A energia e agressividade que vinha forte até Legacy retorna emJezebel, dedicada as “fãs” que perdem o respeito próprio e tentam usar os membros da banda para se dar bem, vai fazer você dar boas risadas “all dressed up in purple and pink, she’ll do whatever it takes to get to VIP. She thinks everyone wants to see her down on her knees, but what she doesn’t know is everyone just wants her to leave!..♪”. 

Danny Worsnop (Asking Alexandria) acrescenta um aspecto cru e áspero para a faixa Losing Sight,  mas se você não for muito atento não vai nem perceber quando ele começa a cantar e quando termina. Simples e eficaz Generation: Hate é a canção que mais tem influencia dos álbuns anteriores, ela abre nossos olhos para uma armadilha da sociedade moderna: como somos rápidos para criticar e às vezes sem vontade de tratar uns aos outros da mesma forma que seria de esperar. E para terminar a ultima faixa é Vessels totalmente instrumental com um piano lento que permite um período de reflexão para começar a ouvir todo o álbum novamente.

O produtor Cameron Mizell fez um excelente trabalho na produção de The Hollow, e repetiu o feito em Challenger que parece mais forte e mais refinado. Os solos e passagens ambientais são adicionados para dar mais profundidade às canções, os riffs da guitarra de Kellen McGreggor soa parecido com The Hollow, cada instrumento se encaixa perfeitamente na mistura e mesmo que não seja completamente inovador ainda traz algo diferente e agradável. O  álbum não é tão previsível e mantém sue ritmo do início ao fim, Challenger é uma viagem lírica da imperfeição humana e luta interior.

Memphis May Fire - Challenger

Challenger (2012, Rise Records)

Nota: 8/10
Para quem gosta de: Of Mice & Men, The Color Morale, Hands Like Houses
Ouça: Alive In The Lights, Legacy, Miles Away, Losing Sight.

▲▼▲

Câmera: Pinhole

▲▼▲

Pin = alfinete
Hole = furo
Pinhole = Furo de alfinete
Pinhole Camera = Câmera de furo de alfinete

Você já pensou em fazer sua própria câmera? Já ouviu falar em Câmera Pinhole? Então Vamos lá!!!

O que é Fotografia Pinhole?

É basicamente como qualquer outro tipo de fotografia, porem em vez de utilizar uma lente, a imagem é profetada sobre o filme ou papel fotográfico através de um pequeno furo. Por que? Porque as Câmeras Pinholes normalmente são feitas de materiais alternativos como papel, madeira, latinhas entre outros.

A História

Tudo começou quando a centenas de anos atrás foi descoberto que a luz viajava em linha reta, devido a este se colocar um pequeno orifício na parede de uma sala escura, a imagem do lado de fora seria projetada a parede oposta a do furo, é a chamada “Camera Obscura”, essa técnica passou a ser usada por muitos pintores para projetar images de paisagens e pessoas para as telas o que permita facilmente traçar a imagem. Foi como uma máquina de cópias e revolucionou a indústria da pintura.

Alguns anos mais tarde foi descoberto como fazer películas sensíveis que conseguiam segurar a imagem projetada sobre ela, assim as duas técnicas foram aplicadas. A fotografia Pinhole sempre desempenhou um papel secundário, pois as lentes foram desenvolvidas antes dos filmes. A Imagem a baixo pode ser a primeira ilustração publicada de uma Camera Obscura é de Gemma Frisius observando o eclipse solar no ano de 1544.

A Exposição

A primeira coisa que você tem que considerar, é a exposição. Imagine a lente da câmera com abertura parada todo o caminho até ao diâmetro menor. Todas as coisas são iguais, quando você fotografar com uma abertura pequena, a velocidade do obturador deve ser mais longa. Com uma Câmera Pinhole, este efeito é ampliado ainda mais.

Para a maioria das Câmeras Pinhole, a exposição à luz do sol pode levar 5 segundos ou mais. Em situações mais escuras, a exposição pode levar 15 minutos ou mais. Se você comprar uma Câmera Pinhole, o fabricante deve fornecer uma tabela informando o tempo de exposição para cada situação. Mas se você fazer a sua própria câmera, não vai ser tão fácil de dizer. Existem fórmulas matemáticas para determinar a abertura, porem é bem complexo, mas você pode disparar um rolo de filme para fazer um teste, o que eu acho um pouco mais divertido e mais fácil também. A maioria dos fotógrafos que usam Pinhole preferem usar filmes lentos com ISO 200, ISO 100 ou até mesmo mais lento.

Você pode por uma nota na lateral, com o tempo de exposição para cada situação, quanto maior o tempo de exposição, mais detalhada será, dependendo da situação. A foto abaixo levou cerca de 20 minutos de exposição em uma sala escura.

Movimento

Com exposições de longo tempo, qualquer movimento vai causar desfocagem. Isto significa que as Câmeras Pinhole não podem ser usadas para aquelas típicas fotos instantâneas. Na maioria das vezes, você precisa ter a câmera estabilizada com um tripé ou algo similar. Cenas de rua pode ser interessante porque tudo o que está se movendo desaparece. Você também tem que ter cuidado com as paisagens, porque o vento também pode causar  movimentos.

Dito isto, o movimento nem sempre é coisa ruim. Borrões de movimento podem criar fotos muito interessantes.

Profundidade de Campo

Com uma Câmera Pinhole, tudo está em foco, tudo é focado no mesmo montante. Isso elimina a necessidade de ajustar o foco em relação à distância, por exemplo se você fotografar uma cena com objetos muito perto da câmera todos os objetos longe da câmera vão estar em foco também.

Distorção

Quando você olha para uma fotografia tirada com uma lente grande angular, você vai notar que as linhas de muros ou escadas ou qualquer coisa reta parece ser curvo. Isto é devido à forma e à natureza circular da lente. Com a lente olho de peixe a imagem fica extremamente distorcida, as Câmeras Pinhole não produzem qualquer distorção. Toda linha reta permanece em linha reta.

Referencia: TutsPlus

▲▼▲

Video: Crystal Castles: “Suffocation”

▲▼▲

Promise me you won’t resuscitate…

Anunciando que seu terceiro album está para chegar, Crystal Castles em parceria com a Vs. Magazine, lançou o vídeo “Suffocation” sétima faixa do álbum auto-intitulado lançado em abril de 2010. O vídeo foi produzido pelo próprio Ethan Kath, filmado em um casarão abandonado em Nova York, mostra Alice Glass com um ar sombrio em meio de lamentos usando todos os tipos de alta custura. O vídeo e está sendo divulgado pela revista como um “vídeo de moda”.

▲▼▲

A regra dos terços

▲▼▲

A regra dos terços é uma antiga técnica utilizada para ajudar a melhorar a composição das fotografias, fazendo elas parecerem menos estáticas e mais agradáveis quando o ponto de interesse está ligeiramente fora do centro.

A técnica é simples, imagine duas linha verticais e duas horizontais, fazendo um jogo da velha, dividindo a imagem em nove quadros, coloque o centro de interesse em um dos quatro pontos focais onde as linhas se cruzam, como a imagem a baixo.

Foto por: Realmustache

Se está foto estivesse com o foco centralizado daria enfase somente a garota, com a regra dos terços, realçou não só  ela mas também o que está a sua volta, criando um equilíbrio entro o sujeito e o ambiente.

Aqui está quatro regrinhas super bacanas que vale a pena tentar praticar.

  1. Use as linhas verticais da grade para posicionar, por exemplo, árvores, cachoeiras, aspectos específicos da arquitetura, ou apenas uma pessoa com um fundo por trás dela.
  2. Em fotografias de retratos use as linhas de grade horizontais para colocação dos olhos, ou, em caso de fotos com um  grupo de pessoas use as cabeças nas linhas horizontais para melhor compor a imagem.
  3. Em fotografias de paisagem use a linha de horizonte como controle para composição, por exemplo, onde a água encontra a terra, lago, costa do mar… conserve o horizonte em linha reta, de maneira com que a cena não dê a impressão de estar escorregando da fotografia.
  4. Tente colocar os pontos de interesse nas intersecções da grade (os pontinhos pretos como da imagem acima), mas sem ser perfeccionista, não precisa estar necessariamente sobre os pontos, linhas, basta puxar um pouco para as laterais e tirar do centro, atingindo um equilíbrio entre os elementos da imagem.

Mas lembre-se, nem todas as regras foram feitas para serem compridas, ela vai lhe ajudar a melhorar a maioria das suas fotografias, porem em algumas composições centralizar o objeto é ideal, cabe a você decidir o melhor momento de usar a técnica.

▲▼▲

‘A Love Unexpected’

▲▼▲

A Lomography em parceria com o estado da Virgínia – EUA, iniciou no dia 03 de fevereiro uma competição super legal, “A Love Unexpected”, e para completar juntos lançaram uma linda edição especial da câmera La Sadina, ‘Virginia is for Lovers’ .

A competição que tem como tema principal o amor, é dividida em onze partes sendo um tema por mês, dez vencedores por etapa, que ganharão uma câmera La Sadina edição especial, e quatro vencedores ao longo do ano ganharão uma viagem de quatro dias e cinco noites para o  estado da Virgínia com direito a acompanhante. As regras são simples, você pode enviar até dez fotografias analógicas relacionadas com o tema do mês, com dimensões minimas de 768px de altura ou largura, sem qualquer tipo de manipulação digital e com todos os dados preenchidos corretamente (câmera; filme, localização e 3 outras tags). Os vencedores serão anunciados no site da Lomography logo após o término do prazo para envio das imagens.

Então, gostou? Que tal soltar a imaginação e tentar a sorte?

  1. Fevereiro – Love surrounds
  2. Março – Love grows
  3. Abril – Spontaneity keeps Love alive
  4. Maio – Puppy Love
  5. Junho – Love at first sight
  6.  Julho – Electrifying Love
  7. Agosto – Love thyself
  8. Setembro – Labor of Love
  9. Outubro – Haunting Love
  10. Novembro – Hate to Love
  11. Dezembro – Love drunk
Mais informações acesse o site oficial: http://virginia.lomography.com
▲▼▲

329252_Primary

Vídeo: Mallu Magalhães: “Velha e Louca”

▲▼▲

Pode falar, não importa
O que eu tenho de torta
Eu tenho de feliz
Eu vou cambaleando
De perna bamba e solta…♪

Mallu Magallães lançou o primeiro clipe de seu último álbum, intitulado Pitanga, lançado em setembro de 2011. O vídeo Velha e Louca foi gravado no alto de um prédio no centro de São Paulo, mostra a cantora ao lado de sua banda esbanjando delicadeza e sorrisos,  evidencia uma nova fase tanto visual, mostrando não mais uma menina estranha, mas sim uma mulher, quanto de maturidade musical, com novas sonoridades deixando claro a proximidade com a bossa nova. 

 

▲▼▲

MOMENTO KODAK

▲▼▲

“Você aperta o botão, nós fazemos o resto” esse foi o slogan usado por George Eastman no lançamento da primeira câmera Kodak em 1888, era apenas o começo de uma grande companhia que se tornou ícone com suas descobertas e inovações que ajudam a popularizar e simplificar a fotografia.

Uma das invenções mais adoradas foi criada em 1935, Kodachrome, o filme mais bem sucedido, um filme que mostrava as cores reais e acabou caindo no gosto tanto dos amadores quanto dos profissionais e eleito por eles o melhor filme colorido a ponto de ganhar uma canção feita por Paul Simon em 1973 em que ele dizia “they give us the greens of summers, makes you think all the world`s, a sunny day…♪” (ela nos oferece o verde dos verões, faz você pensar que em todo o mundo é um dia ensolarado). O retrato estampado na capa da National Gographic em junho de 1984, mundialmente conhecido da menina afegã Sarbat Gula tirada com um Kodachrome por Steve McCurry, não deixa duvidas de que o filme realmente era incrível com cores vivas,  vibrantes. Em 2009 os amantes da fotografia analógica sofrerão um grande golpe, com as concorrentes crescendo no ramo dos filmes e a  com a chegada da câmera digital (a qual a própria Kodak desenvolveu a primeira em 1975 e que serviu de base para tantas outras criadas por diversas marcas) foram alguns dos fatores que levaram a venda dos filmes caírem e acabou conduzindo ao fim da produção do Kodachrome, o fim de uma era. O último rolo do filme foi dado ao McCurry, que revelou as fotos no fim de 2010 no único laboratório que ainda tinha os químicos necessários para a revelação, aqui está alguns dos resultados.

O fim da produção do filme e dos químicos necessários para a revelação foi só a primeira grande perda para os amantes da fotografia analógica. Cerca de 131 anos se passaram desde o inicio da Eastman Kodak Co., que apesar de ter sido inovadora não soube aproveitar as oportunidades e continuar a sua liderança no mercado passando de ícone da fotografia a fiasco empresarial. A criadora da câmera digital, como já dito antes, não fez lançamento comercial do mais novo invento na época por estar mais preocupada na venda de filmes, também não capitalizou com a nova tecnologia, ao longo de todos estes anos muitas coisas aconteceram e a situação só piorou. Com a chegada de Antonio Perez, ex-executivo da HP que logo assumiu como diretor-presidente, a situação não parece ter obtido melhoras, tendo em vista que o seu novo alvo foi no ramo de impressoras, o cenário só contribuiu um pouco mais com os prejuízos da grande Kodak que este ano se obrigou a pedir concordada na esperança de se renovar.

Com tantos acontecimentos o editor do blog Resumo Fotográfico desenvolveu o projeto  “We Love Kodak” com o intuito de apoiar a companhia na tentativa de se reerguer. Você também pode colaborar para o projeto com notícias e artigos, ou acompanhando através da pagina no Facebook.

▲▼▲

Paul Alexander Thornton

▲▼▲

Sem muitos recursos, Paul Alexander Thornton, artista autodidata do Reino Unido encontrou na caneta esferográfica, estilo caneta BIC bem simples, o meio mais pratico de expressar sua arte, misturado com um pouquinho de aquarela deixa suas ilustrações com um ar mais abstrato é obcecado por  crânios e flores e parece que faz delas suas maiores inspirações.

Paul A. Thornton também ficou famoso na internet com seus videos em stop motion postados no YouTube, mostrando bem o processo de criação de cada obra, primeiramente um esboço a lápis bem claro, depois o sombreado com caneta esferográfica e em algumas ilustrações detalhes com aquarela.

▲▼▲